Passar para a navegação primária Passar para o conteúdo Passar para o rodapé
Regressar a Blog

Natureza e Curiosidades no Vale do Douro

a large green field with a mountain in the background

 

A região vinhateira do Vale do Douro é uma região que vai além da produção de bons vinhos e com paisagens incríveis – é também um sítio cheio de curiosidades fascinantes.

Em 2001 foi classificada pela UNESCO como Património da Humanidade, devido às suas características tão particulares!

Primeiro, devemos falar do clima: é uma região extremamente quente no verão (por vezes com 50ºc, como eu própria já experienciei durante a onda de calor em 2018) e fria no inverno (pode atingir temperaturas de -5ºc e ter formação de gelo e neve, como eu também já confirmei nos invernos passados, durante as manhãs).  Isto deve-se às montanhas de rodeiam o Vale: a Serra do Marão. Com cerca de 1900 metros de altitude, estas montanhas têm imponência suficiente para impedir que o vento e a humidade do Oceano Atlântico passem para o Vale, o que cria climas extremos.

O calor durante o verão é ideal para ser possível produzir uvas com a qualidade e características desejáveis para fazer o vinho do Porto. Quanto mais sol apanham, mais docinhas se tornam as uvas!

Outro factor importante é também o tipo de pedra que existe nesta região. O xisto está por todo o Vale: é onde as árvores de fruto estão assentes, com uma camada de terra entre a planta e a pedra. Esta pedra tão especial tem poros microscópicos que retêm líquidos e permitem até que se formem combustíveis, como o petróleo! Ao reter a água da chuva e do rio, tudo o que a planta tem que fazer é crescer as raízes até ao ponto em que consegue regar-se a si mesma. Isto significa que o ser humano pouco ou nada tem que interferir no processo de rega. O xisto é também usado em peças de decoração e para fazer muros ou paredes.

Quem visita o Vale pode também observar que as vinhas se distribuem de forma organizada, em filas, ao longo da montanha. Esta distribuição tem a ver com: a melhor posição para a árvore ter acesso ao xisto ou a outros sistemas de irrigação mais eficazmente; para que todas as árvores estejam expostas ao sol uniformemente; e para criar uma espécie de “escadinha” que ajude os trabalhadores a apanhar as uvas manualmente numa superfície plana, em vez de uma superfície com declive.

Melhor do que ler estas informações, só mesmo visitando o Vale do Douro! É impressionante poder observar a natureza a fazer o seu trabalho de forma tão perfeita, quase que a encorajar o Homem a produzir alguns dos melhores produtos de Portugal.

 

 

Ficamos à vossa espera para vos levar num dos nossos passeios e poder mostrar-vos o que acabei de vos contar, ao vivo!

 

 

 

Texto de Cheila Oliveira, guia turística na Oporto Road Trips

 

 

Skip to toolbar